Estilo de vida contribui para o aparecimento do câncer

Como o estilo de vida pode favorecer (ou não) o surgimento de câncer? Nesta matéria, o Dr. Eric Meneses tira nossas dúvidas sobre o tema!

wp-content/themes/saudemais/img/banner/banner-300x600-Jan24.gif" style="width:300px;margin:1em auto;">?>

A doença bastante temida por muitos, o câncer, tem sua predominância nos casos na terceira idade, e isso vem crescendo a cada ano. A doença ocorre, na maioria das vezes, em função do estilo de vida que as pessoas têm, incluindo a alimentação e a realização de atividades físicas.

“Pessoas com hábitos alimentares mais saudáveis, que consomem regularmente frutas, verduras e legumes, além de pouca gordura animal, carboidratos e produtos industrializados, tem menos chance de desenvolver a doença. A atividade física ajuda no controle do peso corporal e eliminação de gorduras. Com a ‘correria’ da vida moderna, cultivar esses hábitos fica cada vez mais difícil. Outros fatores como tabagismo e ingestão exagerada de bebida alcoólica também influenciam”, explica o médico cirurgião oncológico, Eric Rulli Meneses, membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Oncológica – SBCO.

Para compreender a ação direta do estilo de vida na ocorrência do câncer é o aumento vertiginoso nos casos de câncer de pulmão no século XXI, em decorrência do cigarro. “Hoje, o câncer de pulmão é o mais frequente no mundo e também, o responsável pelo maior número de mortes por câncer (2 milhões de casos em 2018, com 1,7 milhão de mortes). Assim, as formas de prevenção de câncer são justamente adotando hábitos de vida mais saudáveis”, comenta Eric.

Como a expectativa de vida do brasileiro vem aumentando, e é esperado esse crescimento de casos, uma vez que essa doença ocorre mais na chamada terceira idade devido ao acúmulo de mutações genéticas ao longo da vida. “Um exemplo é a pessoa que trabalhou durante muitos anos de sua vida sobre o sol, acumulando os efeitos da radiação na pele e, na velhice, desenvolve câncer de pele”. 

Cada tipo de câncer tem um sintoma diferente. Por exemplo, no câncer de mama (o mais frequente entre as mulheres no Brasil com quase 60 mil casos em 2018), pode aparecer um caroço na mama, abaulamentos ou até mesmo retração do mamilo. Já o câncer de intestino pode provocar sangramentos, dor no abdômen ou episódios frequentes de diarreia.

Dessa forma, como não há um sintoma padrão, o recomendado é que as pessoas visitem regularmente o médico para a realização de exames que possibilitem a detecção precoce de algum tumor, mesmo antes de aparecerem sintomas. “E, neste sentido, os homens são os mais ‘teimosos’, procurando o médico somente quando estão com algum sintoma. Tratando-se de câncer, quanto mais cedo for o diagnóstico, maiores são os as chances de cura”.

Segundo estimativa da Organização Mundial da Saúde (OMS), foram diagnosticados mais de 18 milhões de casos de câncer no mundo só em 2018, com aproximadamente 9,5 milhões de mortes. No Brasil, segundo dados do INCA (Instituto Nacional de Câncer) foram diagnosticados no ano passado, aproximadamente 582 mil casos da doença (300 mil homens e 282 mil mulheres), com 197 mil mortes.

*Os anúncios e informes publicitários assinados são de responsabilidade de seus autores,
e não refletem necessariamente a opinião da Revista Saúde Mais.


Recomendados para você

Elastografia Hepática ARFI

Elastografia Hepática ARFI

O que é a Elastografia Hepática ARFI? Como funciona? Descubra qual o valor deste exame no diagnóstico da fibrose e cirrose hepática!