Qual a diferença entre depressão pós parto e baby blues?

Campanha contra a Dengue - Prefeitura de Campo Grande MS

O puerpério, é um período demarcado por diversas mudanças no corpo da mulher após o parto, é um momento bastante delicado no qual ocorrem muitas mudanças hormonais. É normal que o humor fique um tanto quanto instável até que o organismo se ajuste completamente.

Contudo o humor de algumas mulheres pode acabar ficando mais negativo que o normal, e isso não necessariamente quer dizer que tem algo errado em sua saúde mental.

Vou explicar nesse artigo as duas causas principais do humor deprimido após o parto (baby blues), e a depressão pós parto.

Blues Puerperal
O blues puerperal, também conhecido como melancolia da maternidade ou baby blues, chega a afetar até 50% das novas mamães. Se trata de uma tristeza que surge lá pelo terceiro até quinto dia após o parto, mas costuma melhorar após algumas semanas.

Nesses dias o humor da mamãe se torna instável e depressivo, possivelmente por conta das flutuações hormonais, após o organismo da mulher entrar em equilíbrio essa condição tende a desaparecer. É muito comum nesses dias as mães relatarem sentimento de incompreensão e chorarem com mais frequência. Elas ficam realmente muito sensíveis.

Depressão pós parto
Já a depressão pós parto é um quadro mais complicado que o baby blues. Se inicia geralmente após o nascimento do bebê, mas em alguns casos pode ter início alguns dias antes.

Embora a depressão pós parto esteja relacionada a transição da nova identidade da mãe, este não é o único fator. Pesquisadores acreditam que há fatores genéticos envolvidos, bem como um histórico prévio de transtorno mental aumenta as chances da mulher desenvolver depressão pós parto. Assim como traumas e dificuldades durante a gravidez também são fatores importantes.
A depressão pós parto é bem mais perigosa que o baby blues, tanto para mãe quanto par o bebê. Isso porque na depressão a mãe pode rejeitar o bebê, tendo dificuldade em construir um vínculo com a criança e recusando-se a cuidar dela. Além disso pode ocorrer pensamentos de automutilação, agressão ao bebê, e até mesmo suicídio.

É muito importante lembrar que a falta de uma rede de apoio a mulher também influencia na manutenção da depressão pós parto. A responsabilidade em cuidar de um bebê recém-nascido é muito grande, e uma mulher já fragilizada pelas flutuações hormonais e depressão, certamente precisa de apoio dos familiares e parceiro, tanto para cuidar do bebê, tanto para que haja uma melhora emocional.

Além da intensidade dos sintomas, outra diferença entre a depressão e o baby blues é que a depressão pós parto dura mais tempo e não se resolve sozinha, necessitando de acompanhamento de profissionais de saúde mental, pode ser necessário o uso de medicação, além do acompanhamento psicológico e a rede de apoio familiar.

Existe uma forma em evitar?
Infelizmente o baby blues não pode ser evitado, pois ainda não há certeza entre os pesquisadores sobre suas causas, e as mudanças hormonais são inevitáveis e necessárias para que o corpo arranje equilíbrio após o nascimento do bebê.

Já no caso da depressão pós parto, saber se há fatores de risco, e acompanhar com um psicoterapeuta desde antes do parto é uma boa estratégia, principalmente mulheres que estão vivendo uma gestação complexa e traumas emocionais durante a gravidez.
O nascimento de uma nova criança é na maioria das vezes motivo de muita alegria entre as famílias. Contudo, nem sempre a mãe tem disposição emocional para acompanhar essa festa toda, e isso não é culpa dela. O baby blues e a depressão pós parto são problemas reais que podem ser solucionados.
Se você conhece uma nova mamãe que está passando por sintomas depressivos e não parece melhorar com o tempo, ela pode estar sofrendo com depressão pós parto. Não se esqueça de oferecer ajuda para encontrar um profissional de saúde mental de confiança.

Gabriela Martins
Psicóloga Clínica
CRP – 14/05394-6

(67) 99226-7989

*Os anúncios e informes publicitários assinados são de responsabilidade de seus autores,
e não refletem necessariamente a opinião da Revista Saúde Mais.