Completando 70 anos a Associação Médica de MS foca no associativismo e no ingresso de jovens médicos

wp-content/themes/saudemais/img/banner/banner-300x600-Jan24.gif" style="width:300px;margin:1em auto;">?>

No último dia 23 de fevereiro a Associação Médica de Mato Grosso do Sul completou 70 anos de existência. A trajetória de luta pela defesa da classe médica e da saúde do Estado será celebrada durante o ano todo.

Criada em 1954, por um grupo de médicos de diferentes origens, a associação cresceu devido à força de vontade e anseios de seus fundadores, que sonhavam em oferecer melhores alternativas àqueles que cuidavam da saúde da população. A união da classe significava não apenas melhorias para os médicos, mas para a qualidade de atendimento à população em geral, do que viria a ser o Estado de Mato Grosso do Sul anos depois.

Esse esforço contínuo levou à construção, dez anos depois, da antiga Sede, localizada na Rua Liberdade e posteriormente do Clube de Campo, a atual Sede. Foram décadas de luta pelos direitos da classe e da saúde da população, encorajando outros profissionais liberais a se unirem em benefício do crescimento do Mato Grosso do Sul.

De acordo com o Presidente da AMMS, Justiniano Barbosa Vavas, são muitos os motivos para comemorar a data. “Uma história que se confunde com o aumento de profissionais médicos e com o crescimento da saúde do nosso Estado. Temos uma entidade de sete décadas de história que visa, através do trabalho incessante dos nossos funcionários, associados, diretores e parceiros, defender não apenas a dignidade profissional do médico, mas o seu bem-estar, assistência e qualidade a saúde”, enfatizou. A reportagem conversou com o presidente Justiniano Barbosa Vavas. Confira a entrevista!

RSM – Em 2024 a Associação Médica completou 70 anos, qual sua visão nestes 70 anos de associação?

Vavas – A Associação Médica cumpriu com o papel dela perante a classe médica, realmente é uma associação como o próprio nome diz, que tem funções básicas de reunir os médicos nos quesitos: sociais, culturais e esportivos, assim acabamos nos transformando em um grande clube.

RSM – Como é formada a Associação Médica?

Vavas – Ela é formada por médicos que se associam espontaneamente após a formatura, devem preencher requisitos mínimos, têm que ser indicados por colegas médicos, para poder fazer parte do grupo associativo e, a partir de então, usufruir de todos os benefícios que a nossa instituição oferece.

RSM – Quais foram os desafios?

Vavas – Essa é a minha segunda gestão, nós tivemos um grande problema, também foi para toda a humanidade, que foi a pandemia, conseguimos atravessar a pandemia com muitas dificuldades, mas atravessamos, e nesta segunda gestão pretendemos dar sequência em todos os projetos iniciados por este grupo que hoje dirige a instituição.

RSM – Qual a importância da filiação do médico?

Vavas – É o médico que dá “vida” à associação, é ele que “sustenta”, não só do ponto de vista financeiro, como no ponto de vista: pessoal, associativo, cultural e esportivo. Então, o médico é o representante maior da associação é a ele que dedicamos todo nosso esforço.

RSM – O que a associação oferece para o associado?

Vavas – Uma grande sede de campo onde temos várias modalidades esportivas à disposição do associado, temos um complexo de anfiteatros que atende eventos médicos das mais variadas modalidades na área científica, congressos, cursos, palestras, cursos de reciclagens, dois (02) campos de futebol, sendo um deles oficial, oito (08) quadras de tênis, quatro (04) quadras de bit tênis, um (01) complexo aquático que talvez seja um dos maiores da cidade em atividade atualmente. Realmente conseguimos oferecer várias opções para o associado.

RSM – Qual a importância da associação médica para a saúde pública?

Vavas – A Associação Médica congrega médicos de várias especialidades, para você ter ideia nós temos sediados aqui dentro em torno de quinze a dezesseis especialidades médicas e cada uma com todas as suas atividades científicas. Então, nós podemos canalizar essas atividades científicas e fazer parcerias com o setor público principalmente no quesito reciclagem, cursos de reciclagem, cursos de atualização na área médica, que podem perfeitamente ser público ou privado.

RSM – A associação é exclusivamente para médicos e seus familiares ou é aberta para a comunidade?

Vavas – Ela é exclusiva dos associados e dos seus dependentes, facultando a esses colegas a possibilidade de terem convidados; o convidado não médico sendo apresentado por um colega, seguindo algumas regras do estatuto, pode usufruir dos benefícios da associação. Mas ela não é uma entidade aberta ao público.

RSM –  Deixe suas considerações finais.

Vavas – A bandeira desta gestão é o resgate do associativismo. Nós realmente temos que dar força, energia aos profissionais da saúde, temos que fazer capitação principalmente dos jovens médicos, dos acadêmicos, porque eles na verdade são quem vão ser o combustível que vai tocar essa grande instituição médica que é a Associação Médica do Mato Grosso do Sul. Por isso, nós estamos buscando incessantemente o resgate   e o incentivo ao associativismo em especial do médico jovem.

*Os anúncios e informes publicitários assinados são de responsabilidade de seus autores,
e não refletem necessariamente a opinião da Revista Saúde Mais.