Psoríase e imunobiológicos

wp-content/themes/saudemais/img/banner/banner-300x600-Jan24.gif" style="width:300px;margin:1em auto;">?>

Psoríase é uma doença inflamatória crônica não contagiosa, que afeta muito além da pele, prejudicando a qualidade de vida dos pacientes de diferentes formas, de acordo com a gravidade da doença.
As manifestações cutâneas chamam atenção, porém, o impacto na saúde em geral, pode se dar por acometimento articular, aumento de risco cardiovascular, depressão, além das lesões cutâneas.
Na pele pode se manifestar da forma clássica, com placas de fundo avermelhado e descamação esbranquiçada, que podem acontecer em qualquer parte do corpo, como couro cabeludo e região íntima, porém, há outras formas de manifestação em unhas e dobras cutâneas.
Não é difícil, no couro cabeludo, ser confundida com dermatite seborreica e nas unhas e dobras ser confundida com fungos.
Se sabe hoje, que o paciente com psoríase tem um risco cardiovascular aumentado e, por isso, a pessoa portadora dessa doença deve fazer mudança de hábitos que envolve tratamento, alimentação, atividade física, além de abandonar hábitos ruins como tabagismo.
Para nossa alegria nos últimos anos surgiu a terapia com imunobiológicos com excelente resultado no tratamento da psoríase, medicações aprovadas e com bom perfil de segurança para o paciente.
A terapia com imunobiológicos foi uma revolução no tratamento da psoríase devolvendo a qualidade de vida para muitos pacientes que já não tinham esperança com os tratamentos tradicionais. Isso se dava tanto por falta de resposta ao tratamento como pela intolerância ao tratamento.
O importante hoje é saber que há médicos dispostos a abraçar essa causa e realizar essa terapia tão importante para devolver a qualidade de vida para esses pacientes.

Maíra Machado
CRM 5400MS
RQE 5748

@maira_machadodermato
BMK Clínica Médica e Odontológica
Rua Sagarana, 80 – Jardim Panama
Campo Grande – 67 3222-9222

*Os anúncios e informes publicitários assinados são de responsabilidade de seus autores,
e não refletem necessariamente a opinião da Revista Saúde Mais.