Odontologia especializada para pacientes com câncer

Atualmente com o avanço tecnológico dos tratamentos oncológicos é possível dizer que tivemos as chances de cura aumentada e a sobrevida também. Porém, apesar de todo esse ganho significativo no tratamento da doença câncer, ainda persistem efeitos colaterais indesejados na cavidade oral.

Alguns destes efeitos acontecerão de forma imediata, ou seja, enquanto o paciente está recebendo o tratamento oncológico e existem ainda outros efeitos colaterais que classificamos como efeitos colaterais tardios, ou seja, após o tratamento oncológico o paciente terá estes efeitos, e alguns destes por tempo indeterminado.

Sabendo exatamente sobre o tratamento oncológico, seus efeitos colaterais em cavidade oral, a odontologia oncológica trás condutas clínicas baseadas em evidências científicas para o suporte odontológico ANTES/ DURANTE / APÓS o tratamento oncológico com o objetivo de: prevenir infecção, controlar dor, manter as funções orais, realizar o manejo das complicações orais do tratamento oncológico e qualidade de vida (MASCC – Multinational Association Of Supportive Care In Cancer / ISOO – International Society of Oral Oncology).

Quem são os pacientes com câncer que precisam do suporte odontológico especializado?

Todos precisam de cuidados individualizados e de estratégias exclusivas para cada tipo de tratamento do câncer, visto que sabemos o que irá acontecer em cavidade oral destes pacientes com:

• Câncer hematológico (que receberão altas doses de quimioterapia);
• Pacientes candidatos ao transplante de medula óssea (TMO);
• Pacientes da radioterapia na região de cabeça e pescoço;
• Pacientes que usarão quimioterápicos em que o componente é citotóxico para a mucosa da cavidade oral;
• Imunoterapia e Terapia – Alvo;
• Medicamentos para controle/prevenção de metástases (bifosfonatos, antirreabsortivos e antiangogênicos).

Quando o paciente precisa procurar um dentista oncológico?

A recomendação é que assim que o paciente recebe o diagnóstico da doença, ele passe por uma avaliação com um dentista que tenha conhecimento específico na área de odontologia oncológica.

Entre o período do diagnóstico e o início do tratamento do câncer e dependendo da condição sistêmica do paciente, o dentista oncológico irá propor e executará um tratamento odontológico definitivo para a recuperação da saúde oral para liberar o paciente para o tratamento do câncer. Esta conduta clínica odontológica evita complicações futuras e até interrupção do tratamento oncológico por complicações orais.

Orientações específicas para os pacientes da radioterapia de cabeça e pescoço: dependendo da localização do tumor é possível o dentista oncológico confeccionar o stent intraoral (abridor de boca) para auxiliar no planejamento da Radioterapia e evitar que áreas livres de patologia entrem no campo de radiação, mesmo sendo utilizada uma tecnologia chamada IMRT.

O paciente com câncer pode ir ao dentista oncológico durante o tratamento do câncer?

Deve ir sim ao dentista oncológico. A recomendação do suporte odontológico durante o tratamento oncológico é de não realizar o tratamento odontológico convencional. Nesta etapa, o objetivo do suporte oncológico é a prevenção e tratamento de complicações orais induzidas pelo tratamento do câncer e as mais comuns são: mucosite oral (induzidos pela quimioterapia e radioterapia), alteração na quantidade e qualidade da saliva e estomatites por inibidores de mTOR.

Já as infecções oportunistas de origem bacteriana, fúngica e viral são vistas em pacientes com o quadro de imunidade já debilitado pelo tratamento oncológico e a função do dentista oncológico aqui é fazer o diagnóstico assertivo na fase inicial e propor imediatamente medidas de tratamento.

Quais orientações são essenciais para o paciente que já passou pelo tratamento do câncer?

Eu costumo recomendar para todos os pacientes que tragam para a nossa primeira consulta todos os exames, medicamentos usados, detalhes do tratamento e plano de alta da radioterapia caso tenha sido na região de cabeça e pescoço.

Após a avaliação completa e detalhada, é possível mensurar a intensidade do tratamento oncológico e saber se há seqüelas irreversíveis causados pelo tratamento oncológico ou não. Isso é muito importante para propor as melhores estratégias para a reabilitação e recuperação da qualidade de vida.

*Os anúncios e informes publicitários assinados são de responsabilidade de seus autores,
e não refletem necessariamente a opinião da Revista Saúde Mais.